Data: 13/01/2022 Tags: Brasil | Cartão | Crédito | Débito | Vale a pena

Vale a pena aceitar cartão de crédito e débito no seu negócio? Prós, contras e ciladas

Imagem da Internet (divulgação)

O ano é 2022, e os cartões de crédito e débito lideram como os meios de pagamento mais usados pelos brasileiros. Apesar disso, ainda existem empreendedores que resistem em aceitar essa forma de pagamento. A justificativa é clara: A necessidade de arcar com as taxas administrativas das plataformas das maquininhas, também chamadas de adquirentes.

Mas será que vale a pena limitar os meios de pagamento aceitos no seu negócio para não pagar taxas? Conheça, abaixo, todos os prós e os contras quando o assunto é aceitar ou não cartões como método de pagamento.

Por que aceitar cartão de crédito e débito?


De acordo com uma pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS), os pagamentos com cartão cresceram 52% no segundo trimestre de 2021. Ao todo, mais de R$ 600 bilhões foram movimentados só em vendas no cartão.

Cartões de crédito e débito lideram os pagamentos feitos em lojas físicas brasileiras, antes mesmo do dinheiro, segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), mostrou que os. Compras no crédito à vista representam 24% dos pagamentos; Compras no débito são 23%; No dinheiro são outros 22%, e, no crédito parcelado, 19%.

Ou seja, se o seu negócio não aceita pagamentos por cartão, você pode estar perdendo dinheiro. Afinal, é cada vez mais comum que as pessoas não comprem com dinheiro físico, como mostra este relatório da Mastercard. Em outras palavras: Você pode perder vendas para seus concorrentes por não aceitar o método de pagamento que a maioria dos clientes prefere usar.

É importante observar que, ao aceitar cartão de débito e crédito como método de pagamento, sua empresa vai reduzir a margem de lucro do seu produto. Isso porque existem taxas administrativas que são pagas ao vender dessa forma.

Prós, contras e ciladas de se aceitar cartão de crédito e débito


Vantagens: O calote fica no passado. Quando você aceita pagamentos por cartão não corre mais riscos de não receber o pagamento pela venda, isso porque a sua relação com o cliente se encerra no ato do pagamento. Após a transação, o cliente deverá pagar a instituição financeira, mas a sua parte já estará garantida por ela;

Vender para mais pessoas. É cada vez mais comum que os consumidores prefiram pagar por cartão e, ao aceitar o método de pagamento, você evita perder vendas;

Nem sempre o seu cliente tem em mãos todo o valor do produto que você vende, em especial quando se trata de itens mais caros, como eletrodomésticos. Ao aceitar cartão de crédito, você flexibiliza a compra, permitindo parcelamento;

Mais segurança para estabelecimentos físicos. Segurança é sempre uma questão preocupante em estabelecimentos comerciais. Ao ter menos dinheiro físico em caixa, você torna seu negócio menos visado por criminosos. Mesmo que sua loja seja vítima de crime, o prejuízo também diminui;

Aumento do ticket médio. Ao flexibilizar as formas de pagamento você favorece a venda de produtos mais caros. Isso porque o pagamento pelo produto vai pesar menos no bolso do seu cliente;

Mais controle sobre as vendas. Com a tecnologia, você consegue organizar e visualizar melhor os pagamentos. Já com o dinheiro físico, é mais burocrática e desorganizada a tarefa de fechar o caixa e de depositar as quantias na sua conta.

Desvantagens: Redução da margem de lucro. As vendas por cartão de crédito ou débito geram taxas administrativas entre 1,99% e 5,0%, na média. Ou seja, ao vender dessa forma, automaticamente o seu lucro será menor;

Mais despesas mensais. Além das taxas administrativas, é comum que você precise pagar um valor correspondente ao aluguel da maquininha. O preço do aluguel varia muito de acordo com o tipo de equipamento.

Prazos de recebimento. Ao vender por cartão, o dinheiro do pagamento não cai na sua conta na mesma hora. Os depósitos demoram de 1 a 30 dias, de acordo com o formato de repasse da operadora e com o tipo de pagamento (débito, crédito à vista, ou crédito parcelado).

Cilada: A pior desvantagem realmente é a taxa para o crédito à vista que na propaganda das operadoras falam a partir de 2%, mas que na realidade chegam a 5% de desconto para recebimento em 2 dias (a POP Credicard Itaú, por exemplo, cobra 4,97% nesta simples operação).

Outra cilada é a venda parcelada por cartão de crédito (parcelamento loja), além dos 5% em média cobrado pela operação o comerciante ainda será taxado em 1,99% a cada mês do parcelamento. Vale lembrar que você receberá parcelado também, mês a mês, muito comerciante se engana ao pensar que irá receber tudo em 2 dias. O comerciante só receberá em 2 dias quando o parcelamento for pelo comprador (parcelamento cliente), acrescido de juros, mas com os descontos citados.

Para o cliente não sentir o impacto da perda de rendimento, normalmente as operadoras começam com uma taxa igual para débito e crédito, porém, após um determinado tempo a conta chega (elevando de 1,99 para 5,0%, por exemplo, as operações de crédito), normalmente sem aviso, como muita coisa no Brasil.

Para saber o valor exato das tarifas de transação, consulte as regras da operadora de cartão escolhida pelo seu negócio.

Como amenizar a diminuição do lucro nas vendas no cartão?


Existem duas formas de fazer isso. A primeira delas é calcular uma média de perda de lucro nas vendas por cartão e aumentar um pouquinho o valor de todos os seus produtos.

Mesmo que no fim das contas você ainda perca um pedaço do lucro com taxas, é importante lembrar que você ganha no volume de vendas.

A outra forma de fazer isso é repassando o valor da taxa diretamente para o seu cliente. Apesar da prática ser permitida quando o consumidor está ciente que está pagando mais pelo produto do que clientes que usam outras formas de pagamento, ela é pouco recomendável.

Isso porque o cliente vai sentir que está pagando mais caro do que deveria e pode desistir da compra. Dependendo da forma como acontece a cobrança, também pode soar deselegante com o cliente que preferiu seu negócio.
Imagem da Internet (divulgação)

Whindersson Nunes anuncia último espetáculo para 2022

Whindersson Nunes já tem data para encerrar suas apresentações. Em um desabafo no Twitter nesta segunda-feira (20/12), o humorista disse que seu último espetáculo, chamado "Isso não é um culto", acontecerá em 2022.

Imagem da Internet (divulgação)

Apple é avaliada em US$ 3 trilhões, o dobro do PIB do Brasil

A Apple se tornou na segunda-feira, 03/01, a primeira empresa de capital aberto a atingir o valor de US$ 3 trilhões, mantendo a dona do iPhone como a companhia mais valiosa do mundo. A empresa já havia quebrado o recorde do US$ 1 trilhão, em agosto de 2018, e dos US$ 2 trilhões, em agosto de 2020.