Data: 12/01/2022 Tags: Brasil | Esporte | Futebol | Ronaldo | Cruzeiro

Ronaldo dá sua primeira entrevista à frente do Cruzeiro

Imagem da Internet (divulgação)

Comprador de 90% da Sociedade Anônima de Futebol (SAF) do Cruzeiro, Ronaldo Nazário concedeu entrevista nesta terça-feira (11/01). Diversos assuntos foram abordados como a situação financeira do clube e a surpreendente saída do goleiro Fábio.

O goleiro Fábio


O "Fenômeno" abriu o jogo e revelou que o clube podia fazer para manter o goleiro dentro da situação financeira complicada que vive, foi feito. No entanto, de acordo com Ronaldo, a negativa em permanecer partiu do ídolo.

"Fábio foi e vai ser sempre um ídolo pro Cruzeiro e para a torcida. Diante do cenário atual, fizemos um esforço grande para oferecer uma proposta decente a ele, respeitando a história no clube. Infelizmente, durante a negociação, houve uma negativa por parte dele, o que também nos pegou de surpresa. Entendemos que todo o sacrifício que deveríamos ter feito foi feito. E temos que virar a página. Temos que seguir adiante".

Ronaldo reiterou que o Cruzeiro tem que seguir adiante e buscar a reestruturação financeira e esportiva. Novamente, lamentou a negociação sem um desfecho positivo com o ídolo e afirmou: O clube mineiro é maior que qualquer atleta.

"Os desafios do clube são gigantes. A dívida que encontramos e cada dia que abrimos a gaveta encontramos surpresa negativa. Ainda nesse processo de análise do clube a gente está fazendo o nosso melhor, o máximo para a gente mudar o padrão do clube. Nos últimos três anos, contraiu uma dívida bilionária, diria até. Então todo o esforço para manter o Fábio e oferecer a ele um período para ele poder se despedir da torcida, da casa que foi sua durante muitos anos, foi feito. Uma pena que não chegamos a um acordo. Mas temos que seguir adiante", continuou.

"O Cruzeiro é maior que qualquer atleta. Qualquer nome que você possa imaginar. O Cruzeiro tem que ser o protagonista. Na nossa gestão, o que entendemos é que o Cruzeiro tem que gastar somente aquilo que arrecada", finalizou.

Possibilidade de desistir


"A cada dia que abrimos uma gaveta, encontramos uma surpresa negativa", definiu Ronaldo, nesta terça-feira (11/01), sobre a análise que ele e sua equipe têm realizado a respeito da situação do Cruzeiro.

Na primeira entrevista que concedeu após anunciar a intenção de investir R$ 400 milhões e adquirir 90% das ações da SAF (Sociedade Anônima do Futebol) do clube, o ex-jogador afirmou que a dívida da instituição é maior do que ele esperava, "bilionária até, eu diria". E confirmou que está prevista no pré-contrato a possibilidade de desistência.

"Tecnicamente, sim. No contrato, há essa saída", afirmou, antes de dizer que o plano agora não é esse. "Está longe da minha cabeça e do meu pensamento desistir do projeto. No momento, estamos no processo de análise do clube: Entender o tamanho do buraco, da dívida, entender os credores, enfim, muita coisa por entender ainda. Meu desejo é continuar."

Ronaldo afirmou que a primeira meta esportiva de sua gestão é o retorno à Série A do Campeonato Brasileiro. Segundo ele, o clube vive um momento de "ações impopulares, mas necessárias", e levará ao menos um ano para começar a equilibrar as contas.

O ex-jogador afirmou que várias receitas dos próximos dois anos, como acordos de televisão, já foram antecipadas. E é justamente nos próximos dois anos que o clube precisa pagar R$ 140 milhões que deve a outros times. Essas dívidas têm pequena margem para negociação e, se não pagas, tornarão a equipe impedida pela Fifa de fazer novas contratações.
Imagem da Internet (divulgação)

Whindersson Nunes anuncia último espetáculo para 2022

Whindersson Nunes já tem data para encerrar suas apresentações. Em um desabafo no Twitter nesta segunda-feira (20/12), o humorista disse que seu último espetáculo, chamado "Isso não é um culto", acontecerá em 2022.

Imagem da Internet (divulgação)

Apple é avaliada em US$ 3 trilhões, o dobro do PIB do Brasil

A Apple se tornou na segunda-feira, 03/01, a primeira empresa de capital aberto a atingir o valor de US$ 3 trilhões, mantendo a dona do iPhone como a companhia mais valiosa do mundo. A empresa já havia quebrado o recorde do US$ 1 trilhão, em agosto de 2018, e dos US$ 2 trilhões, em agosto de 2020.