Data: 06/01/2022 Tags: Brasil | Covid-19 | Metade dos casos | Variante | Ômicron

Mais da metade de casos de Covid-19 no Brasil já é da Ômicron

Imagem da Internet (divulgação)

A variante Ômicron já é responsável por 58,33% dos casos de Covid-19 rastreados no Brasil, segundo levantamento feito pela plataforma "Our World in Data". Os dados correspondem à participação da nova cepa em todas as sequências analisadas até duas semanas anteriores ao dia 27 de dezembro. A variante B1.1.529 foi descoberta na África do Sul em novembro.

Segundo a plataforma, ligada à Universidade de Oxford e considerada uma referência na publicação de dados sobre a pandemia, a Ômicron era responsável por apenas 2,85% até o dia 13 de dezembro no país. Houve, portanto, uma explosão no número de casos em duas semanas, confirmando assim a sua alta transmissibilidade.

A variante também já é dominante em outros países, como os Estados Unidos (80% dos casos rastreados), Reino Unido (95,91%), África do Sul (93,85%), Argentina (85,11%), França (80,34%), Japão (77,12%), México (55,17%) e Chile (51,59%).

A existência da nova cepa foi reportada à OMS (Organização Mundial da Saúde) no dia 24 de novembro, após o surgimento de casos na África do Sul. Desde então, houve a confirmação de infecções provocadas pela Ômicron nos cinco continentes.

No mesmo dia, ministros da Saúde de países do G7 alertaram que a variante necessitava de uma ação urgente. "A comunidade internacional enfrenta a ameaça de uma nova variante altamente transmissível da Covid-19, que requer ação urgente", disseram os ministros em um comunicado conjunto, na ocasião.

Além de ser altamente transmissível, ela conta com grande número de mutações. Até o momento, os pacientes identificados com a variante, demonstraram entre os sintomas mais comuns, o cansaço extremo, dores pelo corpo, dor de cabeça e dor de garganta.

Ontem, dados preliminares de um sequenciamento genético realizado pela Secretaria Municipal da Saúde e pelo Instituto Butantan apontaram 50% de prevalência para a variante Ômicron do novo coronavírus na capital paulista.

O estado de São Paulo teve um aumento de 30% em novas internações por Covid-19 nos hospitais públicos e privados na última semana. O número de novos hospitalizados com a doença subiu de 425 para 552 na primeira semana do ano, impulsionado pela Ômicron, já em transmissão comunitária no Brasil, e pelas festas de fim de ano.

Mundo bate novo recorde de casos


O mundo também registrou um novo recorde de casos de Covid-19 em apenas 24 horas, com 2,59 milhões de infecções registradas, segundo o "Our World in Data".

O número foi mais uma vez impulsionado pelos Estados Unidos, que registraram 869,1 mil casos, dado inferior ao de segunda-feira (03/01), quando foram contabilizados mais de 1 milhão de infectados em apenas um dia.

A OMS disse ontem que as evidências até agora sugerem que a Ômicron está causando formas menos graves da doença. No entanto, as autoridades de saúde pública alertaram que o grande volume de casos de Ômicron ameaça sobrecarregar os hospitais, alguns dos quais já estão lutando para lidar com uma onda de pacientes com Covid-19, principalmente entre os não vacinados.
Imagem da Internet (divulgação)

Whindersson Nunes anuncia último espetáculo para 2022

Whindersson Nunes já tem data para encerrar suas apresentações. Em um desabafo no Twitter nesta segunda-feira (20/12), o humorista disse que seu último espetáculo, chamado "Isso não é um culto", acontecerá em 2022.

Imagem da Internet (divulgação)

Apple é avaliada em US$ 3 trilhões, o dobro do PIB do Brasil

A Apple se tornou na segunda-feira, 03/01, a primeira empresa de capital aberto a atingir o valor de US$ 3 trilhões, mantendo a dona do iPhone como a companhia mais valiosa do mundo. A empresa já havia quebrado o recorde do US$ 1 trilhão, em agosto de 2018, e dos US$ 2 trilhões, em agosto de 2020.