Data: 31/12/2021 Tags: América do Sul | Pandemia | Epicentro | Líder | Vacinação

Covid-19: América do Sul passou de epicentro da pandemia a líder em vacinação

Imagem da Internet (divulgação)

Desde que começaram a ser registrados os óbitos de pacientes com Covid-19, houve 2.740 mortes por milhão de habitantes na América do Sul, segundo o banco de dados Our World in Data, nos Estados Unidos, foram 2.450, na Europa, 2 mil e na Ásia, 267.

O pico de mortes diárias ao longo da pandemia também ocorreu na América do Sul, com uma média de 10,85 por milhão de habitantes em abril deste ano.

No entanto, o subcontinente encerra 2021 com um dado auspicioso: É o que possui a maior taxa de vacinação contra o coronavírus, com 63,4% de sua população completamente imunizada (com duas doses ou dose única, conforme o requerimento de cada vacina) e 74,3% de seus 434 milhões de habitantes com pelo menos uma dose, segundo dados oficiais divulgados pela Organização Pan-Americana de Saúde até a última quinta-feira (23/12).

Além disso, de 17 a 23 de dezembro, a região teve uma média diária de 0,7 óbitos por milhão de habitantes, seis vezes menos que a Europa ou os Estados Unidos, segundo a plataforma Our World in Data.

A Europa é a segunda região com mais gente completamente imunizada, um percentual de 60,5%, enquanto outros 4,2% da população estão parcialmente vacinados.

A América do Norte aparece em terceiro lugar, com 59,6% dos 500 milhões de habitantes do México, Estados Unidos e Canadá com a vacinação completa, e os que tomaram pelo menos uma dose somavam 71,4% até a última quinta-feira.

O Caribe apresenta, por sua vez, 43% da população com a imunização completa e 49% com pelo menos uma dose, enquanto na América Central, estes percentuais são de 42% e 54%, respectivamente.

O continente americano como um todo conta com 59,7% da população vacinada com duas doses (ou dose única), 70,8% com pelo menos uma dose e 10,6% com doses de reforço.

Já a Oceania tem 58% de sua população imunizada com duas doses, e a Ásia, 55%. Por último, vem a África, com apenas 8,8% de seus habitantes com o processo de vacinação completo.

Os países mais bem colocados


O país com melhor taxa de vacinação da América do Sul é o Chile, onde 85,6% da população recebeu o programa de imunização completo. Lá, crianças a partir de 3 anos podem tomar a vacina.

Em seguida, aparecem o Uruguai (76,6%), Argentina (76,5%), Equador (69,1%) e Brasil (65,7%).

Em piores condições, estão Guiana, Bolívia e Suriname, com uma taxa inferior a 40%.

Terceira dose


Embora dois países da América do Sul, Chile e Uruguai, registrem altos níveis de vacinação com doses de reforço (52,7% e 42,7%, respectivamente), a média do subcontinente é consideravelmente menor (8,8%).

A Europa é o continente com o maior número de doses de reforço aplicadas (21,5%).

Na América do Norte, 13,4% da população recebeu a dose de reforço.

A Oceania (5%) e a Ásia (4%) são as regiões onde menos se administrou a terceira dose, tirando a África, onde a aplicação do reforço tem sido insignificante.
Imagem da Internet (divulgação)

Whindersson Nunes anuncia último espetáculo para 2022

Whindersson Nunes já tem data para encerrar suas apresentações. Em um desabafo no Twitter nesta segunda-feira (20/12), o humorista disse que seu último espetáculo, chamado "Isso não é um culto", acontecerá em 2022.

Imagem da Internet (divulgação)

Apple é avaliada em US$ 3 trilhões, o dobro do PIB do Brasil

A Apple se tornou na segunda-feira, 03/01, a primeira empresa de capital aberto a atingir o valor de US$ 3 trilhões, mantendo a dona do iPhone como a companhia mais valiosa do mundo. A empresa já havia quebrado o recorde do US$ 1 trilhão, em agosto de 2018, e dos US$ 2 trilhões, em agosto de 2020.